mídia e artigos

/ CANAL EXECUTIVO / publicada em março/2015

Como conduzir um processo de demissão em tempos de crise

Se há uma unanimidade entre os profissionais que estão em cargos de liderança é que demitir um colaborador é uma das tarefas mais difíceis. Se não for bem conduzido, o processo de desligamento pode ser mais doloroso do que já é, tanto para quem está sendo demitido, quanto para quem demite.

Se há uma unanimidade entre os profissionais que estão em cargos de liderança é que demitir um colaborador é uma das tarefas mais difíceis. Se não for bem conduzido, o processo de desligamento pode ser mais doloroso do que já é, tanto para quem está sendo demitido, quanto para quem demite.

Nos tempos atuais - em que a crise econômica assombra o Brasil e as demissões já são uma realidade para as empresas - a diretora de Transição de Carreira da Stato, consultoria especializada em gestão de carreiras, Lucia Costa, elenca sete orientações para conduzir de forma assertiva a reunião de desligamento de um colaborador.

1. Elabore um discurso racional da razão da demissão e não se esquive da responsabilidade. Frases como "eu não queria, mas cumpro ordens" ou "fui voto vencido" evidenciam fraqueza do líder e expõem a companhia. Contextualize a situação, comunique o desligamento e diga que a escolha foi sua (ou também foi sua).

2. Caso o profissional não aceite a demissão, não discuta, fique calmo e repita o discurso da razão do desligamento. Ouça o profissional com compreensão, aceite seus sentimentos, responda com atenção suas indagações, mas comunique a demissão.

3. Não é momento para analisar resultados ou dar feedbacks de performance ou comportamentais. Naturalmente, o demitido conduz a conversa para esse viés. Trata-se de um comunicado. É preciso frieza para não cair nesta armadilha.

4. Não diga que lamenta a demissão ou que sabe como ele se sente. Este é um momento duro e isso só alimenta sentimentos negativos.

5. Cada empresa possui uma cultura, mas é recomendável que um desligamento seja realizado individualmente, com ao menos uma testemunha, do RH.

6. É desejável que o desligamento ocorra em um começo de semana, no período da manhã, jamais próximo ou em uma data comemorativa.

7. Se você pode e quer indicar esse profissional para outro trabalho, pois acha que ele não serve para o atual cargo, mas será útil em outro, faça isso. Mas não diga isso no momento da demissão. Fica parecendo pena. Aguarde uma oportunidade posterior.