mídia e artigos

/ O AMARELINHO / publicada em janeiro/2016

Dicas orientam na conquista de promoção e recolocação

O Diretor de Recrutamento Paulo Dias dá algumas dicas para quem quer dar o próximo passo na carreira

Os profissionais que buscam promoções ou novas colocações devem aproveitar o início do ano para planejar a carreira. De acordo com o diretor de recrutamento da STATO, Paulo Dias, há algumas dicas e passos a serem seguidos nesse planejamento. O ponto de partida é entender o atual cenário do mercado para se movimentar profissionalmente, ou seja, analisar como está a situação da empresa, se ela está contratando ou investindo no quadro de funcionários. “Desta forma, o indivíduo terá noção das suas possibilidades e terá mais clareza para chegar ao objetivo almejado”, explica Dias.

A autoavaliação é outro passo importante rumo a uma nova colocação, pois permitirá que a pessoa saiba seu posicionamento diante das oportunidades profissionais, além de ter mais conhecimento sobre quais são as habilidades que a diferencia de outros candidatos. Neste sentido, também é fundamental manter-se atualizado, pois o mercado não busca um profissional especializado somente no seu setor de atuação, mas que também contribua com ideias inovadoras em assuntos diversos. 

Outra dica relevante é ter disciplina para se organizar e definir metas, prazos e resultados. No atual cenário, empresas buscam colaboradores focados em resultados e economia. “Então, é estrategicamente inteligente o profissional focar seu discurso e a própria estrutura do currículo nos resultados práticos que pode trazer para a companhia”, observa o diretor de recrutamento.

O próximo degrau em direção ao crescimento profissional é demonstrar disposição ao empreender energia e paixão na colocação desejada. De acordo com Dias, aqui vale falar com ânimo sobre suas expectativas e ideias. “Mas tome cuidado para não confundir paixão com ansiedade e passar a ideia de afobação”, adverte.

Por fim, ao buscar tanto uma promoção interna quanto uma posição em outra empresa deve-se ter bom-senso. “Ligar toda hora ou ficar enviando e-mail para saber uma resposta sobre a vaga ou, ainda, na entrevista, reclamar da empresa na qual atua ou foi desligado não é recomendável e pode surtir um efeito negativo e contrário ao seu objetivo”, conclui.