mídia e artigos

/ JORNAL DA GLOBO / publicada em abril/2015

Empresas de recolocação profissional têm demanda aquecida

Serviço de “outplacement”, recolocação de profissionais, está em alta. Objetivo é ajudar o demitido a superar essa fase difícil e achar novos rumos.

Com o desemprego aumentando, algumas empresas querem ajudar funcionários demitidos através do outplacement, o uso de especialistas para encontrar outro posto de trabalho.

Flávio tirou proveito de uma situação de crise para dar um novo rumo à carreira. “A gente fez um trabalho de avaliar todo o meu currículo, fazer uma releitura de toda a minha carreira profissional. Foi um processo bem interessante”, conta o executivo Flávio Rojas Roa.

O serviço de outplacement, a recolocação de profissionais, não é uma novidade para cargos executivos de altos salários. O que muda agora é que as empresas estão contratando esse tipo de serviço também para funcionário de médio escalão. E a procura está aumentando.

Nos últimos meses, uma consultoria de recursos humanos viu sua demanda aumentar 20%.

“A gente tem percebido as empresas oferecendo o benefício do outplacement para funcionários de vários níveis, não mais restringindo só para executivos com salários mais altos”, explica Lúcia Costa, diretora da empresa de RH.

Uma empresa de agronegócio usou o outplacement pela primeira vez há quatro meses, para dois profissionais com mais de cinco anos de casa.

“É um diferencial de mercado. A empresa, quando a gente passa a proporcionar a todos os nosso funcionários esse tipo de serviço, é uma segurança também para os funcionários que estão aqui dentro”, afirma Fabiana Miquelin, analista de recursos humanos.

Flávio não ficou nem um mês desempregado. Ele recebeu noções de marketing pessoal e três propostas de trabalho. Agora está ganhando mais e em um cargo mais adequado ao seu perfil profissional.

“O lado pessoal e o profissional eu estou conseguindo balancear de uma maneira ímpar. A empresa preza muito por isso. Eu acho que eu realmente me encontrei nessa mudança”, diz o executivo Flávio Rojas Roa.